Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/7300
Tipo: Tese
Título: Práticas alimentares e sociabilidades em famílias rurais da Zona da Mata mineira: mudanças e permanências
Eating habits and sociabilities in rural families of Minas Gerais’ Zona da Mata: changings and remainings
Autor(es): Lima, Romilda de Souza
Abstract: Este trabalho tem como objetivo analisar e compreender os significados da comida e as relações de comensalidade, atendo-se às mudanças e permanências referentes às práticas alimentares de famílias rurais dos municípios mineiros de Piranga, Porto Firme e Presidente Bernardes. A metodologia escolhida foi qualitativa, utilizando-se da entrevista semiestruturada, observação, registros fotográficos e o caderno de campo. As análises da pesquisa empírica foram construídas à luz das abordagens teóricas da antropologia e sociologia da alimentação e da história da alimentação. Apesar da tendência apontada por alguns autores contemporâneos de uma homogeneização alimentar na sociedade ocidental, fruto do processo de modernização e globalização que teria o poder de influenciar e transformar as práticas alimentares, esta não foi a realidade observada nas famílias rurais pesquisadas. A pesquisa apontou para a necessidade de considerar a diversidade cultural e o contexto sociohistórico ao estudar as questões relativas a alimentação dos grupos. Nas famílias estudadas, as práticas alimentares possuem forte vínculo com a tradição e à produção local de alimentos. Isso não significa que elas estão imunes às interferências e às mudanças contemporâneas. Neste sentido, as mudanças observadas nas práticas alimentares, tais como a adoção de novas tecnologias, têm ocorrido de forma ainda tímida e não implica um abandono da tradição. As famílias estão convivendo ou se adaptando aos processos de mudanças no mundo contemporâneo sem negar suas raízes históricas. A incorporação das práticas alimentares modernas também não é acrítica. As famílias sabem que a substituição implica em riscos, perdas e ganhos. No caso da gordura de porco, por exemplo, mostraram-se conscientes quanto à questão relativa à saúde no consumo desse alimento, que continua sendo prioritariamente utilizado na preparação de comidas tradicionais. O que prevalece, neste caso, é a escolha xiipelo sabor do alimento e pelo significado simbólico e tradicional atrelado a ele. Inseridas no processo que envolve tanto o desejo de manter sua autonomia produtiva e cultura alimentar, quanto à necessidade de ceder a algumas mudanças, essas famílias estão aprendendo a se adaptar às dinâmicas da modernidade, aderindo às novidades alimentares que lhes agradam e lhes são importantes e rejeitando o que não lhes é interessante.
This work aims to analyze and understand the meaning of food and commensality relations, limited to the changes and remains related to the eating habits of rural families in the municipalities of Piranga, Porto Firme and Presidente Bernardes. The chosen methodology was qualitative, using semi-structured interviews and observation. The instruments used were the recorded interviews, photographic register and field notebook. The empirical research analysis was built under the light of theoretical approaches of anthropology and sociology of the alimentation and history of the alimentation. Despite the tendency pointed out by some contemporary authors of a food homogenization in Western society, as a result of the modernization and globalization process that would have the power to influence and transform the eating habits, this was not the reality observed in the surveyed rural families. The research indicated the need to consider the cultural diversity and the socio-historical context in order to study issues related to eating habits of the groups. In the studied families the issues related to eating habits have a strong bond with the tradition and local food production. That doesn’t mean they are immune to interference and to contemporary changes. In this sense, the observed changes in dietary practices such as the adoption of new technologies have occurred still timidly and don’t imply a total abandonment of tradition. Families are living or adapting themselves to the changing processes in the contemporary world without, however, transforming significantly their own culture. It’s important to highlight that the incorporation of modern eating habits options is not uncritical, too. The families know that the replacement of a habit by another entails risks, losses and gains, as in the case of pork fat. They proved to be conscious about the matter on health in consumption of that food, but it remains primarily used in the preparation of traditional foods. What prevails in this case, it is the choice by the flavor of the food and by the symbolic and traditional meaning attached to it. Inserted in the process involving both the desire to xivmaintain its productive autonomy and eating culture, and the need to give in to some changes, these families are learning to adapt to the everyday experiences; they aren’t closed in their cultural cores and even take posítion averse to change; they demonstrate a resigned but critical attitude by submitting to the items of food modernity they please and consider important, as well as rejecting what is not interesting to them.
Palavras-chave: Antropologia nutricional
Famílias rurais
Hábitos alimentares
CNPq: Extensão Rural
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: LIMA, Romilda de Souza. Práticas alimentares e sociabilidades em famílias rurais da Zona da Mata mineira: mudanças e permanências. 2015. 204 f. Tese (Doutorado em Extensão Rural) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2015.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/7300
Data do documento: 25-Nov-2015
Aparece nas coleções:Extensão Rural

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdfTexto completo2,98 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.