Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1683
Tipo: Tese
Título: Resíduo proveniente do beneficiamento do feijão (Phaseolus vulgaris L.) em rações para bovinos
Título(s) alternativo(s): Residue from common bean (Phaseolus vulgaris L.) processing in the rations of cattle
Autor(es): Magalhães, André Luiz Rodrigues
Primeiro Orientador: Queiroz, Augusto César de
Primeiro avaliador: Pereira, José Carlos
Segundo avaliador: Detmann, Edenio
Terceiro avaliador: Paulino, Mário Fonseca
Quarto avaliador: Bezerra, Edinaldo Silva
Abstract: O presente trabalho foi composto por três experimentos. No primeiro, objetivou-se avaliar a substituição da amiréia de fubá de milho com equivalente protéico (EP) igual a 120% (AM120), pela amiréia de resíduo de feijão comum (Phaseolus vulgaris L.) com diferentes níveis de EP (AF120; AF70 e AF57), em rações para novilhos sobre as seguintes variáveis: consumo, digestibilidades totais e parciais aparentes dos nutrientes, pH e nitrogênio amoniacal ruminal (N-NH3), produção e eficiência microbiana ruminal, N-uréia plasmático (NUP) e excreções urinárias de N total e N-uréia. Quatro novilhos castrados, fistulados no rúmen e no abomaso, com peso vivo médio inicial de 378 kg foram distribuídos em um delineamento em quadrado latino 4x4. O experimento teve duração de 60 dias e foi dividido em quatro períodos de 15 dias cada. Os animais permaneceram em baias individuais, onde receberam rações completas que foram ofertadas em nível que propiciasse sobras médias diárias de 5%, com base na matéria seca (MS), na proporção de 60:40 volumoso:concentrado. As dietas isonitrogenadas, constituídas de feno de capim coast-cross (Cynodon dactylon) e concentrados, foram formuladas de acordo com o NRC (1996). Os consumos de MS, matéria orgânica (MO), proteína bruta (PB), carboidratos não-fibrosos (CNF), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente neutro indigestível (FDNi) e nutrientes digestíveis totais (NDT) não foram afetados pelas dietas. Apenas o consumo de extrato etéreo (EE) diminuiu para os tratamentos (AF) em relação ao referência (AM). Os coeficientes de digestibilidades (CD) totais, ruminais e intestinais da MS e de todos os nutrientes não foram afetados, à exceção do CD intestinal dos CNF que reduziu para o tratamento AF57. Não houve diferença entre os tratamentos para pH e N-NH3 ruminais, embora estas variáveis tenham sido afetadas pelo tempo de coleta após a alimentação matinal, apresentando comportamento de quarta ordem. Não houve variação no NUP (mg/dL) em função das dietas, mas as excreções urinárias de N-total e N-uréia (g/dia) para amiréias de feijão foram menores do que para amiréia de milho. O tratamento AM promoveu maior produção e eficiência microbiana ruminal do que os tratamentos AF. A utilização de amiréias produzidas a partir do resíduo de feijão comum não compromete a ingestão e utilização de nutrientes dietéticos pelos novilhos. Dessa forma, a amiréia de feijão apresenta-se como alternativa à amiréia de milho. No segundo experimento, objetivou-se avaliar a substituição do farelo de soja pelo resíduo de feijão comum (Phaseolus vulgaris L.) em rações para novilhos sobre as mesmas variáveis analisadas no experimento anterior. A metodologia utilizada foi a mesma do experimento anterior, salvo o peso vivo médio inicial dos animais (470 kg) e as dietas. Foram ofertadas rações completas em nível que propiciasse sobras médias diárias de 10%, com base na MS, na proporção de 60:40 volumoso:concentrado, contendo 0; 20; 40 e 60% de resíduo de feijão cru no concentrado, em substituição ao farelo de soja. As dietas, constituídas de feno de capim coast-cross (Cynodon dactylon) e concentrados, foram formuladas de acordo com o NRC (1996). Objetivou-se que essas fossem isonitrogenadas e com o mesmo teor de nitrogênio não-protéico (NNP). Os consumos de MS, MO, FDN, FDNi e NDT não foram afetados pelas dietas. Apenas os consumos de PB e EE diminuíram linearmente para os níveis crescentes de substituição, enquanto que o de CNF apresentou comportamento cúbico. Os coeficientes de digestibilidades (CD) total, ruminal e intestinal da MS e MO e total da FDN não foram afetados pelas dietas. O CD total da PB apresentou comportamento quadrático, enquanto que os de EE e CNF apresentaram comportamento linear decrescente e crescente, respectivamente. Os CD ruminais da MS, MO, PB, EE e CNF não foram influenciados pelas dietas, tendo ocorrido alteração apenas no da FDN, que apresentou comportamento quadrático. Em nível de intestinos, apenas o CDEE diminuiu para os níveis crescentes de substituição. Não houve diferença entre os tratamentos para pH ruminal, enquanto que o N-NH3 apresentou comportamento linear decrescente em função dos níveis crescentes de substituição. Estas duas variáveis foram afetadas pelo tempo de coleta após a alimentação matinal e apresentaram comportamentos quadrático e de quarta ordem, respectivamente. Embora os níveis de NUP (mg/dL) não tenham sido afetados pelas dietas, as excreções urinárias de N-total e N-uréia (g/dia) apresentaram comportamento quadrático, com redução até o nível de 40% de substituição e posterior elevação. A produção e a eficiência microbiana ruminal não foram afetadas pelas dietas. Embora a inclusão do resíduo de feijão comum até o nível de 60% do concentrado não comprometa a ingestão de MS, ocorrem alterações na ingestão e digestibilidade de alguns nutrientes dietéticos, demonstrando haver limitações de uso do resíduo. No terceiro experimento, objetivou-se avaliar a substituição do farelo de soja pelo resíduo de feijão comum cru (Phaseolus vulgaris L.) em rações para vacas em lactação sobre as seguintes variáveis: consumos e digestibilidades totais aparentes dos nutrientes, produção e composição do leite, eficiência alimentar, produção e eficiência microbiana ruminal, concentração de NUP, excreções urinárias de N total e N-uréia. Foram utilizadas doze vacas da raça Holandesa, puras e mestiças, com potencial de produção de 6.000 kg de leite por lactação, que foram distribuídas em três quadrados latinos 4x4, balanceados. O experimento teve duração de 60 dias e foi dividido em quatro períodos de 15 dias cada. Os animais permaneceram em baias individuais, onde receberam rações completas, que foram ofertadas ad libitum duas vezes ao dia, na proporção de 60:40 volumoso:concentrado, com base na MS, contendo 0; 13; 26 e 39% de resíduo de feijão cru no concentrado, em substituição ao farelo de soja. As dietas, constituídas de silagem de milho e concentrados, foram formuladas de acordo com o NRC (1989). Objetivou-se que essas fossem isonitrogenadas e com o mesmo teor de NNP. Os consumos de MS, MO, CNF e NDT diminuíram linearmente com o aumento dos níveis de feijão no concentrado. Os consumos de FDN e FDNi não foram afetados pelas dietas e os consumos de PB e EE apresentaram comportamento cúbico. Os CD da MS, MO, EE e FDN não foram afetados pelas dietas, enquanto que os de PB e CNF apresentaram comportamento linear decrescente e crescente, respectivamente. A produção e a composição do leite (gordura, proteína, lactose, extratos secos desengordurado e total), quando expressas em kg/dia, apresentaram redução linear para os níveis crescentes de substituição, embora não tenha havido diferenças nos teores (%) de gordura, proteína bruta e extrato seco total. Não houve diferença entre os tratamentos para as eficiências alimentares. Embora os níveis de NUP (mg/dL) e as excreções urinárias de N-total não tenham sido afetados pelas dietas, as excreções urinárias de N-uréia (g/dia e mg/kg PV) apresentaram redução linear com o aumento dos níveis de substituição. A produção e a eficiência microbiana ruminal não foram afetadas pelas dietas. A inclusão do resíduo de feijão em dietas de vacas leiteiras implica em redução no desempenho dos animais, embora não comprometa a eficiência alimentar.
This work was developed based on three experiments. In the first experiment, the objective was to evaluate the replacement of corn starea (CS120) with 120% of proteid equivalent (PE) by common bean (Phaseolus vulgaris L.) residue starea with different levels of PE (CBS120; CBS70 and CBS57), in rations for steers on the following variables: intake, total and partial apparent digestibilities of nutrients, rumen fluid pH and ammonia N-concentration (N-NH3), rumen microbial production and efficiency, plasma N-urea (PUN) and urinary excretions of total N and N-urea. Four steers fistulated in the rumen and in the abomasum, with live weight of 378 kg were randomly assigned in one 4x4 Latin square. 60 experimental days were divided into four 15 days periods. The animals were maintained in individual stalls, where they got total mixed rations that were offered in the level that was excessive in 5%, as in dry matter basis (DM), with forage:concentrate ratio of 60:40. The isonitrogen diets were composed of coast-cross hay (Cynodon dactylon) and concentrates and they were formulated as proposed by NRC (1996). DM, organic matter (OM), crude protein (CP), non-fiber carbohydrates (NFC), neutral detergent fiber (NDF), indigestible neutral detergent fiber (iNDF) and total digestible nutrients (TDN) intakes were not affected by the diets. Only ether extract (EE) intake was depressed for CBS treatments in comparison with reference treatment (CS). Total, rumen and intestinal digestibility coefficients (DC) of DM and all nutrients were not affected, with the exception of NFCDC, that decreased in CBS57. Rumen fluid pH and N-NH3 were not influenced by diets, even though these variables have been affected by the assessment time after morning feeding and exhibited quarter degree profile. There was no variation in PUN (mg/dL) in function of the diets, but urinary excretions of total N and N-urea (g/day) were smaller for CBS than CS diet. CS treatment caused greater rumen microbial production and efficiency than CBS treatments. The use of stareas obtained from common bean residue does not compromise intake and use of nutrients of the diets by steers. Then, common bean starea appear as an alternative to corn starea. In the second experiment, the objective was to evaluate the replacement of soybean meal by common bean (Phaseolus vulgaris L.) residue in the rations for steers on the same variables studied in the prior experiment. The methodology used here was the same used in the prior experiment, except the middle live weight of 470 kg in the beginning and the diets. Total mixed rations were offered in the level that was excessive in 10%, as in DM, with forage:concentrate ratio of 60:40, that contained 0; 20; 40 and 60% of common bean residue in the concentrate, in substitution of soybean meal. The diets composed of coast-cross hay (Cynodon dactylon) and concentrates were formulated as proposed by NRC (1996). There was a purpose to obtain isonitrogen and with the same level of non-protein nitrogen (NNP) diets. DM, OM, NDF, iNDF and TDN intakes were not affected by the diets. Only CP and EE intakes were linear depressed for increasing levels of common bean residue, while NFC intake presented cubic profile. Total, rumen and intestinal digestibility coefficients (DC) of DM and OM and total DCNDF were not affected by the diets. Total CPDC presented quadratic profile while DC of EE and NFC presented linear decreasing and increasing profiles, respectively. Rumen DC of DM, OM, CP, EE and NFC were not influenced by the diets, and only NDFDC presented quadratic profile. Intestinal EEDC was the unique that decreased with the increasing levels of substitution. There was not difference in rumen fluid pH between treatments, while N-NH3 presented linear decreasing profile with the increasing levels of substitution. These two variables were affected by the assessment time after morning feeding and exhibited quadratic and quarter degree profiles, respectively. Inspite of the levels of PUN (mg/dL) did not affected by the diets, urinary excretions of total N and N-urea (g/day) presented quadratic profile, with decreasing until the level of 40% of substitution and posterior increasing. Rumen microbial production and efficiency were not affected by the diets. Although the inclusion of common bean residue until 60% of the concentrate does not depress intakes of DM, there are some modifications in the intake and digestibility of some nutrients, that means there are limitations in the residue use. In the last experiment, the objective was to evaluate the replacement of soybean meal by raw common bean residue in rations for milking cows on the following variables: intakes and total apparent digestibilities of nutrients, milk production and composition, feed efficiency, rumen microbial production and efficiency, PUN, urinary excretions of total N and N-urea. Twelve pure Holstein and crossbred Holstein/Zebu milking cows, with potential yield of 6,000 kg of milk per lactation, were randomly assigned in three 4x4 balanced latin square. 60 experimental days were divided into four 15 days periods. The animals were maintained in individual stalls, where they got ad libitum total mixed rations twice a day with forage:concentrate ratio of 60:40, as in DM, that contained 0; 13; 26 and 39% of raw common bean residue in the concentrate, in substitution of soybean meal. The diets composed of corn silage and concentrates were formulated as proposed by NRC (2001). There was a purpose to obtain isonitrogen and with the same level of NNP diets. DM, OM, NFC and TDN intakes were linear depressed for increasing levels of common bean residue in the concentrate. NDF and iNDF intakes were not affected by the diets and CP and EE intakes presented cubic profile. The digestibility coefficients (DC) of DM, OM, EE and NDF were not affected by the diets while DC of CP and NFC presented linear decreasing and increasing profiles, respectively. Milk production and composition (fat, protein, lactose, non fat and total dry extracts), as expressed in kg/day, presented linear decreasing for the increasing levels of substitution, then though there were not differences in the levels (%) of fat, protein and total dry extract milk. Feed efficiencies were not affected by the diets. Inspite of the levels of PUN (mg/dL) and urinary excretion of total N had not been affected by the diets, urinary excretion of N-urea (g/day and mg/kg LW) presented linear decreasing with the increasing level of substitution. Rumen microbial production and efficiency were not affected by the diets. The inclusion of common bean residue in the diets of milk cows prejudice the performance of the animals, although it does not compromise feed efficiency.
Palavras-chave: Ruminante
Nutrição animal
Resíduos agroindustriais
Feijão-bandinha
Bovino de leite
Rumen
Animal nutrition
Agroindustrial residues
Beans
Dairy cattle
Feeds and feeding
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::NUTRICAO E ALIMENTACAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: MAGALHÃES, André Luiz Rodrigues. Residue from common bean (Phaseolus vulgaris L.) processing in the rations of cattle. 2005. 111 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2005.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1683
Data do documento: 23-Fev-2005
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf865,39 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.