Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1736
Tipo: Tese
Título: Variabilidade espacial e dinâmica do acúmulo de forragem em pastos de capim-braquiária sob lotação contínua
Título(s) alternativo(s): Spatial variability, morphogenesis and dynamics of the tillering and forage accumulation in signalgrass pastures
Autor(es): Santos, Manoel Eduardo Rozalino
Primeiro Orientador: Fonseca, Dilermando Miranda da
Primeiro coorientador: Nascimento Júnior, Domicio do
Segundo coorientador: Gomide, Carlos Augusto de Miranda
Primeiro avaliador: Queiroz, Domingos Sávio
Segundo avaliador: Sbrissia, André Fischer
Abstract: Foram conduzidos dois experimentos em pastagem de Brachiaria decumbens cv. Basilisk (capim-braquiária) pertencente ao Setor de Forragicultura do Departamento de Zootecnia, na Universidade Federal de Viçosa, sendo o primeiro realizado entre novembro de 2007 a maio de 2008, com o objetivo de quantificar a variabilidade espacial de pastos de capim-braquiária manejados sob lotação contínua com bovinos. Para isso, foram avaliadas quatro alturas de plantas (10, 20, 30 e 40 cm) no mesmo pasto de capim-braquiária manejado com altura média de 25 cm, o que foi possível devido à natural variabilidade espacial da vegetação. O delineamento foi em blocos ao acaso com duas repetições. Foram determinadas as seguintes variáveis respostas: variação temporal da altura das plantas, massa e densidade volumétrica da forragem e de seus componentes morfológicos, interceptação de luz pelo dossel, densidade populacional e características de perfilhos, e características morfogênicas e estruturais do pasto. O segundo experimento ocorreu de junho de 2008 a março de 2009, período em que foram avaliadas duas estratégias de manejo do pastejo. Em uma, o pasto foi mantido com 25 cm de altura média durante todo o período experimental. A outra correspondeu à manutenção do pasto com 15 cm de altura média durante o inverno, e aumento para 25 cm a partir do início da primavera. Adotou-se o esquema de parcelas subdivididas e o delineamento em blocos casualizados com quatro repetições. As parcelas corresponderam às estratégias de manejo do pastejo, e as subparcelas foram as estações do ano. O número de perfilho, o fluxo de tecidos, a dinâmica do perfilhamento e do acúmulo de forragem foram quantificados. No primeiro experimento, a variação temporal da altura da planta apresentou resposta linear negativa com a altura do capim-braquiária. De forma linear, as massas de forragem e de seus componentes morfológicos aumentaram e a densidade volumétrica da forragem diminuiu com o incremento da altura da planta. A interceptação de luz (IL) pelo dossel variou segundo o modelo quadrático, em que as plantas com altura de 10, 20, 30 e 40 cm apresentaram valores de 56,2; 85,2; 93,4 e 96,6% de IL, respectivamente. Os números de perfilhos vegetativos e vivos decresceram linearmente, enquanto que os de perfilhos reprodutivos e mortos incrementaram linearmente com o aumento da altura da planta. A massa dos componentes morfológicos e o peso dos perfilhos também aumentaram de modo linear com o acréscimo da altura da planta. Com relação às características morfogênicas e estruturais dos perfilhos, verificaram-se efeitos lineares, com acréscimos nas taxas de senescência foliar e de alongamento de pseudocolmo, no número de folhas pastejadas e nos comprimentos da lâmina foliar e do pseudocolmo, bem como decréscimo na taxa de aparecimento foliar com o aumento da altura da planta no mesmo pasto. No segundo experimento, o rebaixamento do pasto para 15 cm no inverno resultou em maior taxa de aparecimento foliar (0,02 folha/perfilho.dia) e superior número de folha viva (4,5 folhas por perfilho) no inverno. Todavia, essa estratégia de manejo fez com que, em geral, a duração de vida da folha (66 dias), a taxa de senescência foliar (0,22 cm/perfilho.dia), e os comprimentos da lâmina foliar (11 cm) e do pseudocolmo (15,2 cm) fossem menores nos meses de inverno, em relação ao pasto com 25 cm. Nesta estação, houve inferiores taxas de aparecimento foliar (0,06 folha/perfilho.dia), de alongamento foliar (0,110 cm/perfilho.dia) e de alongamento de pseudocolmo (0,008 cm/perfilho.dia), menores número de folha viva (2,9 folhas por perfilho), comprimentos da lâmina foliar (8,6 cm) e do pseudocolmo (13,5 cm). Por outro lado, a duração de vida da folha (139 dias) e o número de folha morta (2,0 folhas por perfilho) foram superiores no inverno. O maior valor de taxa de senescência foliar ocorreu na primavera (0,40 cm/perfilho.dia). No tocante à dinâmica de perfilhamento do capim-braquiária, a taxa de aparecimento de perfilho (4,7%), o site filling (0,103 perfilho/folha), a taxa de mortalidade (4,7%) e o número de perfilho vegetativo (1.620 perfilhos/m2) foram inferiores no inverno. Nesta estação, contudo, a taxa de sobrevivência de perfilho foi superior (95,3%). Dentre as estações, o número de perfilho morto foi menor na primavera (490 perfilhos/m2), enquanto que o número de perfilho reprodutivo foi maior no verão (244 perfilhos/m2). Em comparação aos pastos mantidos com 25 cm, aqueles manejados com 15 cm de altura média no inverno apresentaram maiores taxas de aparecimento de perfilho (34,2%), site filling (0,133 perfilho/folha) e número de perfilho vegetativo (1.852 perfilhos/m2), além de menor número de perfilho morto (566 perfilhos/m2). A diminuição da altura média do pasto para 15 cm no inverno também resultou, quando comparado ao pasto mantido com 25 cm, em maiores taxas de crescimento total (95 kg/ha.dia) e de folha (66,1 kg/ha.dia), assim como superiores taxas de acúmulo total (81,5 kg/ha.dia) e de folha (52,6 kg/ha.dia). A produção acumulada de forragem (do inverno até o verão) foi maior no pasto rebaixado para 15 cm no inverno (25,6 t/ha de MS) em relação ao pasto manejado com 25 cm de altura média (22,2 t/ha de MS). No que tange as estações do ano, no inverno, houve menores taxas de crescimento total (6,4 kg/ha.dia), de folha (5,6 kg/ha.dia) e de pseudocolmo (0,8 kg/ha.dia), e também inferiores taxas de acúmulo total (-6,6 kg/ha.dia) e de folha (-7,5 kg/ha.dia). Já na primavera ocorreu maior taxa de senescência foliar (22,4 kg/ha.dia). Com base nos resultados obtidos, conclui-se que: 1) há variabilidade espacial e temporal da vegetação em pastos de Brachiaria decumbens cv. Basilisk manejada sob lotação contínua com bovinos; 2) a estrutura do pasto é modificada pela altura da planta forrageira; 3) o acúmulo de forragem é otimizado quando o pasto de capim-braquiária é rebaixado para 15 cm durante o inverno e, na primavera e verão subseqüentes, a sua altura média é aumentada para 25 cm.
Two experiments were performed on Brachiaria decumbens cv. Basilisk (signalgrass) pastures belonging to the Setor de Forragicultura do Departamento de Zootecnia at the Universidade Federal de Viçosa. The first one was carried out between November 2007 and May 2008 aiming to quantify the spatial variability of the signalgrass pastures managed under continuous stocking with cattle. For that, four different plant heights (10, 20, 30 and 40 cm) were evaluated on the same signalgrass pasture managed to be 25 cm high, which was possible due to the natural variability of the vegetation. Randomized block design with two repetitions was used. The following variable answers were determined: temporal variation of the plant height, mass and volumetric density of the forage and its morphological components, canopy interception of light, population density and tiller characteristics, and morphogenic and structural characteristics of the pasture. The second experiment was carried out between June 2008 and March 2009. Within this period, two management strategies were evaluated. In one of them, the pasture was kept to have 25 cm in height throughout the experimental period. In the other one, the pasture was kept to have 15 cm in height during the winter, and 25 cm from the beginning of the spring on. Randomized block design with subdivided plots and 4 repetitions was used. The plots correspond to the management strategies of the pasture, and the subplots to the seasons of the year. Number of tillers, tissue flux, dynamics of tillering, and forage accumulation were quantified. In the first experiment, the temporal variation of the plant height showed negative linear response according to the signalgrass height. The masses of forage and its morphological components increased linearly while the volumetric density of the forage decreased as the plant height increased. Canopy light interception (IL) varied according to the quadratic pattern, that is, plants that were 10, 20, 30 and 40 cm high showed 56.2, 85.2, 93.4 and 96.6% of IL, respectively. The number of vegetative tillers and green tillers decreased linearly while the reproductive tillers and dead tillers increased linearly as the plant height increase. The mass of the morphological components and the weight of tillers also increased linearly according to the plant height. Regarding the morphogenic and structural characteristics of the tillers, linear effects were observed with additions on the leaf senescence rate, pseudoculm elongation rate, number of grazed leaves, and leaf blade and pseudoculm lengths, as well as a decrease on the leaf appearance rate as the plant height increased in the same pasture. In the second experiment, the lowering of the pasture to 15 cm high in the winter resulted in a higher leaf appearance rate (0.02 leaf/tiller.day) and higher number of green leaves (4.5 leaves per tiller) in the winter. However, this management strategy decreased the duration of leaf life (66 days), senescence leaf rate (0.22 cm/tiller.day), and leaf blade (11 cm) and pseudoculm (15.2 cm) lengths in the winter months, in relation to the pasture kept at 25 cm high. In this season, the rates of leaf appearance (0.06 leaf/tiller.day), leaf elongation (0.110 cm/tiller.day) and pseudoculm elongation (0.008 cm/tiller.day) were lower. The number of green leaves (2.9 leaves per tiller), and leaf blade (8.6 cm) and pseudoculm (13.5 cm) lengths were also lower. On the other hand, leaf life duration (139 days) and number of dead leaves (2.0 leaves per tiller) were higher in the winter. The highest rate of leaf senescence was found in the spring (0.40 cm/tiller.day). As to the dynamics of tillering of signalgrass, the tiller appearance rate (4.7%), the site filling (0.103 tiller/leaf), the mortality rate (4.7%) and the number of vegetative tiller (1.620 tillers/m2), they were all found to be lower in the winter. In this season, however, tiller survival rate was higher (95.3%). Throughout the seasons, the number of dead tiller was lower in the spring (490 tiller/m2), while the number of reproductive tiller was higher in the summer (244 tiller/m2). When comparing the pastures kept at 25 cm high, the ones managed to be 15 cm high in the winter showed higher rates of tiller appearance (34.2%), site filling (0.133 tiller/leaf) and number of vegetative tiller (1852 tiller/m2), besides a lower number of dead tiller (566 tiller/m2). If compared to the pasture kept as 25 cm, lowering the pasture height to 15 cm in the winter also resulted in higher rates of total growth (95 kg/ha.day) and leaf (66.1 kg/ha.day) as well as higher rates of total accumulation (81.5 kg/ha.day) and leaf (52.6 kg/ha.day). The production of accumulated forage (from the winter to the summer) was higher for the pasture lowered to be 15 cm in the winter (25.6 t/ha of dry matter) in relation to the pasture managed to be 25 cm high (22 t/ha of dry matter). When considering the seasons of the year, in the winter, there were lower rates of total growth (6.4 kg/ha.day), leaf growth (5.6 kg/ha.day) and pseudoculm growth (0.8 kg/ha.day), and also lower rates of total accumulation (-6.6 kg/ha.day) and leaf accumulation (-7.5 kg/ha.day), while a higher rate of leaf senescence (22.4 kg/ha.day) was found in the spring. Based on the results found, one may conclude that: (1) there is indeed spatial and temporal variability of the Brachiaria decumbens cv. Basilisk pastures managed under continuous stocking with cattle; (2) the structure of the pasture is modified by the height of the forage plant; (3) the forage accumulation is optimized when the signalgrass pasture is lowered to have 15 cm in height during the winter, 25 cm in the following spring and summer.
Palavras-chave: Brachiaria decumbens
Estação do ano
Perfilho
Brachiaria decumbens
Season of the year
Tiller
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::PASTAGEM E FORRAGICULTURA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: SANTOS, Manoel Eduardo Rozalino. Spatial variability, morphogenesis and dynamics of the tillering and forage accumulation in signalgrass pastures. 2009. 164 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1736
Data do documento: 14-Dez-2009
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,86 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.