Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2570
Tipo: Dissertação
Título: Rudgea viburnoides (Cham) Benth. (Rubiaceae): acúmulo de alumínio, composição mineral e metabolismo antioxidativo em diferentes fitofisionomias de Cerrado
Título(s) alternativo(s): Rudgea viburnoides (Cham.) Benth. (Rubiaceae): aluminum accumulation, mineral composition and antioxidative metabolism in different phytophysiognomies of Cerrado
Autor(es): Malta, Priscila Gonçalves
Primeiro Orientador: Azevedo, Aristéa Alves
Primeiro coorientador: Ribeiro, Cleberson
Primeiro avaliador: Meira Neto, João Augusto Alves
Segundo avaliador: Kuki, Kacilda Naomi
Abstract: A acidez dos solos permite que o alumínio (Al) se torne disponível para as plantas, podendo induzir efeitos tóxicos no seu metabolismo. Entretanto, as espécies de plantas nativas do Cerrado desenvolvem em solos ácidos e com altas concentrações de Al, apresentando mecanismos de tolerância a esse metal. A família Rubiaceae está bem representada no bioma e constitui uma das famílias que mais possuem representantes classificados como acumuladores de Al. O estudo se propôs a avaliar a distribuição do Al nos tecidos de Rudgea viburnoides (Rubiaceae); analisar os efeitos das diferentes classes de solo do Cerrado da Floresta Nacional (FLONA) de Paraopeba, MG, sobre o perfil nutricional e acúmulo do metal na planta; e identificar os possíveis mecanismos de defesa presentes nesta espécie toleranle ao Al. Para averiguação da composição química do solo em cinco diferentes ambientes na FLONA (cerrados sensu Stricto sobre Latossolo Amarelo - Css LA; sobre Latossolo Vermelho Amarelo - Css LVA e no Cambissolo Amarelo Css Cxb e em áreas de Cerradão Distrófico - CD e Mesotrófico - CM sobre Latossolo Vermelho), amostras foram coletadas aleatoriamente em profundidades de 0 a 20, 20 a 40 e 40 a 60 cm, com três repetições. Diferentes técnicas foram ulilizadas para a histolocalização do Al nos orgãos vegetativos de R. viburnoides: microscopia de luz usando os reagentes chrome azurol S 05% e hematoxilina 0.2%; microscopia confocal com o fluoróforo lumogallion 10 µM; e microscopia eletrônica de varredura com um espectrômetro de energia dispersiva de raios-X (EDS) acoplado. Os teores de K, Ca, Mg, P, Si, Fe e Al foram determinados na matéria seca dos órgãos vegetativos. Amostras foram fixadas em solução de formalina em sulfato ferroso e incluidas em parafina histológica para histolocalização de fenólicos e comparação com a distribuição do Al, visando investigar uma possível complexação. Enzimas do sistema antioxidativo e o teor de fenóis solúveis totais também foram determinados. Os solos da FLONA de Paraopeba, em geral, apresentam elevada acidez e altos teores de Al. Os valores mais baixos de pH (4.35 a 4,5) foram constados no CD. Os teores de Al apresentaram variação ao longo do perfil com menores teores registrados no Css Cxb. Os cerrados sensu stricto apresentaram baixos teores de nutrientes e matéria orgânica (MO), enquanto que o CM apresentou maior disponibilidade de Ca e o CD menores valores de K e Mg. A composição mineral das plantas variou entre as áreas estudadas, sendo que a parte aérea, em geral, apresentou maior teor de Al. Os indivíduos oriundos do Css Cxb apresentaram maiores concentrações de Al nas folhas e raízes. As paredes pecto-celulósicas e os cloroplastos foram os principais sitios de acúmulo, embora a relação entre o acúmulo de Al nos cloroplastos com o mecanismo de tolerância necessita ser investigada, bem como os sítios de acúmulo do metal dentro da organela. O sistema antioxidativo de R. viburnoides, nas diferentes fitofisonomias, não apresentou variações na atividade da catalase e da superóxido dismutase, enquanto que a peroxidase teve menor atividade nas plantas do CM em relação às plantas do Css LA. As diferenças de luminosidade encontradas nas areas estudadas podem estar influenciando nas diferenças relatadas na atividade dessa enzima. A histolocalização dos compostos fenélicos não coincidiu com a de Al nos órgãos da planta. Os maiores teores de fenóis solúveis totais evidenciados nos indivíduos do CD foram relacionados com a concentraofio de Mn no solo da fitofisionomia. A ocorrência de R. viburnoides em ambientes com diferentes caracteristicas está relacionada a um ajuste eficaz no aparelho fisiológico em resposta aos variados estresses abióticos que as plantas nativas estão submetidas. A tolerância da espécie à altas concentrações de Al no solo está relacionada ao acúmulo do metal nos tecidos, podendo também haver outros mecanimos associados à detoxifcação.
The acidiy of soils allows the aluminum (Al) becomes available to plants can induce toxic effects on the metabolism. However, the native plants of Cerrado can survive in acid soils with high concentrations of Al, presenting mechanisms of tolerance to this metal. The Ruhiaccac family is well represented in the biome and is one of the most representative lamin with Al accumulating species. The study proposed to evaluate the distribution of Al in the tissues of Rudgea viburnoides (Rubiaceae); analyze the effects of different soil Cerrado National Forest (FLONA) of Paraopeba, MG, on the nutritional profile and metal accumulation in the plant and to identify possible defense mechanisms present in this Al tolerant species. To investigate the chemical composition of the soil in live different areas in FLONA (cerrado sensu striclo on Yellow Latosol - Css LA; on Yellow Red Latosol - Css LVA; on Yellow Cambisol - Css Cxb and areas of dystrophic and mesotrophic Cerradão CD and CM on Red Latosol), samples were randomly collected at depths of 0-20, 20 40 and 40-60 cm with three replications. Different techniques were used to Al histolocalization in vegetative organs of R. viburnoides: light microscopy using reagents chrome azurol S 0.5 % hematoxylin and 0.2 %; confocal microscopy with the lumogallion 10 mM, and scanning electron microscopy with attached energy dispersive spectrometer X-ray (EDS). The contents of K, Ca, Mg, P, Si, Fe and Al were determined on dry matter of vegetative organs. Samples were fixed in formalin ferrous sulphate and embedded in parafin for phenolic histolocalization and comparison with the distribution of Al, in order to investigate a possible complexation. Enzymes of the antioxidative system and the content of total soluble phenols were determined. The soils of the National Forest of Paraopeba generally have high acidity and high levels of Al. Lower values of pH (4.35 to 4.5) were found in CD. The Al contents show variations along the profile with lower levels recorded in Css Cxb. The cerrado sensu stricto had low levels of nutrients and organic matter, while CM showed higher availability of Ca and CD lower values of K and Mg. The mineral composition of the plants varied among the areas and the shoots had a higher content of Al. Individuals from Css Cxb had higher concentrations of Al in leaves and roots. The pectin-cellulosic walls and chloroplasts were the main sites of accumulation, although the relationship between Al accumulation in chloroplasts with tolerance mechanism needs to be investigated as well as the sites of metal accumulation within the organelle. The antioxidant system of R. viburnoides in different physionomies had no differences in the activity of catalase and superoxide dismutase, while peroxidase activity was lower in plants of CM in relation to plants Css LA. The differences in brightness found in the study areas may be influencing the differences in the activity of this enzyme. The phenolic compounds histolocalization not coincided with the Al organs of the plant. The highest levels of total soluble phenols evidenced in CD individuals were related to the concentration of Mn in the soil of vegetation type. The occurrence of R. viburnoides in environments with different characteristics is related to an adjustment in the device effective in physiological responses to various abiotic stresses that wild plants are subjected. The tolerance of the species at high Al concentrations in the soil relates to metal accumulation in the tissues which may also be associated with other engine that detoxification.
Palavras-chave: Rudgea viburnoides
Plantas - Efeito dos minerais
Plantas - Nutrição
Alumínio
Rudgea viburnoides
Plants - Effect of minerals
Plants - Nutrition
Aluminum
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática
Programa: Mestrado em Botânica
Citação: MALTA, Priscila Gonçalves. Rudgea viburnoides (Cham.) Benth. (Rubiaceae): aluminum accumulation, mineral composition and antioxidative metabolism in different phytophysiognomies of Cerrado. 2013. 5 f. Dissertação (Mestrado em Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2570
Data do documento: 20-Set-2013
Aparece nas coleções:Botânica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
resumo.pdf962,17 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.