Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/27
Tipo: Dissertação
Título: Determinantes econômicos da sanidade bovina
Título(s) alternativo(s): Economic determinants of bovine health
Autor(es): Valente, Luiza Carneiro Mareti
Primeiro Orientador: Vale, Sônia Maria Leite Ribeiro do
Primeiro coorientador: Braga, Marcelo José
Segundo coorientador: Silva, José Maria Alves da
Primeiro avaliador: Coelho, Alexandre Bragança
Segundo avaliador: Gomes, Sebastião Teixeira
Terceiro avaliador: Leite, Romário Cerqueira
Abstract: A pecuária bovina é um dos mais importantes setores do agronegócio brasileiro. Entretanto, a sanidade dos rebanhos brasileiros peça fundamental para a atividade ainda é uma questão pouco estudada em termos econômicos. Assim, este trabalho buscou identificar os principais determinantes do uso das medidas preventivas e dos gastos com elas. Para isso, o trabalho foi dividido em duas partes. Na primeira utilizaram-se dados do oficiais do Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose Bovinas (PNCEBT), do número de animais vacinados contra a brucelose e de exames de tuberculose. Uma análise preliminar foi realizada buscando identificar padrões espaciais (clusters) de adoção dessas medidas. Em ambas as séries, os resultados indicaram alta variabilidade no uso destas medidas entre os estados. Para os exames de tuberculose, os principais clusters encontrados foram: um de baixo uso, localizado principalmente nos Estados da região Norte para os anos de 2004 a 2006, e um de alto uso nos Estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará no ano de 2006. O primeiro cluster foi atribuido à má estruturação da defesa sanitária animal naqueles estados. O segundo é atribuído às exigências desse exame para a compra de animais financiados pelo Programa Nacional de Apoio à Agricultura Familiar (PRONAF). Para o número de animais vacinados contra a brucelose os principais clusters encontrados foram: de alto uso, nos Estados da região Centro-Oeste de 2004 a 2006, e de baixo uso nos Estados do Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco, principalmente entre 2004 e 2006. O primeiro foi atribuído à prática de vacinação já estar integrada ao manejo da região além da necessidade de comprovação dessa vacinação nas propriedades que necessitam de emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA) para o envio de animais ao abate. Atribuiu-se o segundo cluster à má estruturação dos serviços de defesa sanitária animal principalmente das regiões Norte e Nordeste. Em seguida, buscou-se identificar os possíveis determinantes para essas medidas. Para isso, utilizou-se um modelo Tobit em painel. Os principais resultados indicam que o início efetivo do PNCEBT, em 2004, estimulou significativamente o aumento das medidas. Também observou-se que a vacinação não é influenciada pelos preços pagos tanto para carne quanto para leite, mas que esses afetavam positivamente o número de exames de tuberculose. A variável de produção de carne por quilometro quadrado também indicou aumento das práticas com o aumento da produção. Variáveis relativas às transferências do governo federal por convênio aos estados e às exportações de carne ou leite não foram significativas. Concluiu-se que o PNCEBT vem apresentando bons resultados embora haja necessidade de reestruturação de sistemas estaduais de sanidade animal principalmente das regiões Norte e Nordeste de modo a viabilizar melhor educação sanitária e reciclagem dos profissionais envolvidos na produção de bovinos. Além disso, devem ser planejados incentivos econômicos aos produtores de modo a estimular o aumento das práticas preventivas estudadas. Na segunda parte foram usados dados de entrevistas realizadas com 861 produtores de leite de Minas Gerais. Pretendeu-se identificar as características dos sistemas produtivos que levam a maiores gastos com prevenção das doenças animais. Além disso, pretendeu-se verificar a existência de relação entre gastos com prevenção e tratamento. Para isso, a metodologia utilizada foi a de Minimos Quadrados em Três Estágios que permite a considerar a endogeneidade esperada entre os gastos estudados. Os resultados encontrados indicaram que os gastos com tratamento aumentam com o aumento do percentual de vacas em lactação, da produção por área e do gasto com mão-de-obra. Os gastos com prevenção aumentam com a produção por área, o gasto com mão-de-obra e com minerais, com a maior idade do produtor, usada como proxy para experiência, e com o uso de mão-de-obra familiar. Adicionalmente, propriedades que receberam mais de seis visitas por ano de um técnico têm maiores gastos com tratamento, mas menores gastos com prevenção. A relação encontrada entre os gasto foi contrária ao esperado, mostrando que quando os gastos com prevenção aumentam, os com tratamento também aumentam. Assim, concluiu-se que os produtores tem uma atitude reativa e não próativa com relação à sanidade bovina. Ainda, são os produtores menos intensivos que, em média, gastam menos com sanidade. Finalmente, foi sugerido que medidas de educação sanitária tanto para produtores quanto para técnicos são as que podem trazer maiores benefícios para a sociedade.
The bovine livestock is one of the most important sectors of Brazilian agribusiness. However, Brazilian herds health - key to the activity is still an issue rarely studied in economic terms. This way, the present study tried to identify the major determinants of the use of preventive measures and its expenses. Thus, the work was divided into two parts. At first it was used official data from the National Program for Control and Eradication of Bovine Brucellosis and Tuberculosis (PNCEBT), the number of animals vaccinated against brucellosis and tuberculosis tests. A preliminary analysis was performed trying to identify spatial patterns (clusters) of adoption of these measures. In both series, the results showed high variability in the use of these measures among the states. For tuberculosis tests, the major clusters found were the following: a low-use one, located mainly in the states of the northern region by 2004 to 2006, and one of high use in the states of Paraíba, Rio Grande do Norte and Ceará in 2006. The first cluster was attributed to poor organization of animal health inspection services in those states. The second is attributed to the necessity of the examination for the purchase of animals financed by the National Program of Support for Family Agriculture (PRONAF). For the number of vaccinated animals against brucellosis the main clusters found were: high-use, in the states of the Center-west region from 2004 to 2006, and low use in the states of Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte and Pernambuco, mainly between 2004 and 2006. The first cluster was attributed to the fact that the practice of vaccination is already integrated to the management of the region. Besides that, there is the necessity of proof of vaccination in the properties that need to issue the Guide for Animal Transit (GTA) to send animals to slaughter. The second cluster is related to the poor structuring of animal health inspection services mainly in the northern and northeast. Then it was tried to identify the determinants of these measures. For this reason, a Panel Tobit model was used. The main results indicate that the effective beginning PNCEBT in 2004, significantly stimulated the increase of the measures. It was observed that vaccination is not influenced by the prices paid both for meat and for milk, but those affected positively the number of tuberculosis tests. The variable production of meat per square km also showed increasing practice with the increase of production. Variables related to federal government transfer, by agreement, to states and the exports of meat or milk were not significant. It was concluded that the PNCEBT has shown good results although there is a need for restructuring of animal health inspection services especially in the northern and northeast regions in order to make easier better sanitary education and retraining of health professionals involved in the livestock production. Besides, economic incentives to producers to stimulate the increase in preventive practices studied must be planed. In the second part, data from interviews with 861 milk producers from Minas Gerais was used. It was intended to identify the characteristics of production systems that lead to greater spending on prevention of animal diseases. Furthermore, it was tried to verify the existence of the relationship between spending on prevention and treatment. In order to do that, the methodology used was the Three-Stages Least Squares which allows considering the expected endogeneity among the spendings studied. The results indicated that spending on treatment increases with the increasing in the percentage of milking cows, production per area and expenses with employees. Expenses on prevention increase with the production per area, expenses with the labor and minerals, producer´s age, used as a proxy for experience, and with the use of family labor. Additionally, properties visited by a technician more than six times a year, have higher expenses on treatment, but less expenses on prevention. The association between expenses was contrary to the expectated, showing that when spending on prevention is increased, the treatment expenses also get higher. Thus, we concluded that the producers have a reactive and not proactive attitude regarding bovine health. Furthermore, less intensive producers, on average, spend less on bovine health. Finally, it was suggested that measures of sanitary education both for producers and the technicians can bring greater benefits to society.
Palavras-chave: Sanidade bovina
Gastos
Clusters
Dados em painel
TOBIT
Bovine health
Expenditures
Clusters
Panel data
TOBIT
CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIAS AGRARIA E DOS RECURSOS NATURAIS::ECONOMIA AGRARIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Economia e Gerenciamento do Agronegócio; Economia das Relações Internacionais; Economia dos Recursos
Programa: Mestrado em Economia Aplicada
Citação: VALENTE, Luiza Carneiro Mareti. Economic determinants of bovine health. 2009. 136 f. Dissertação (Mestrado em Economia e Gerenciamento do Agronegócio; Economia das Relações Internacionais; Economia dos Recursos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/27
Data do documento: 12-Fev-2009
Aparece nas coleções:Economia Aplicada

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,51 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.