Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/367
Tipo: Tese
Título: Caracterização morfológica e molecular de cianobactérias da Antártica Marítima e potencial para biodegradação e bioindicação em ambientes contaminados por hidrocarbonetos
Título(s) alternativo(s): Morphological and molecular characterization of cyanobacteria from Maritme Antarctic and potential on hydrocarbon biodegradation and bioindication in contaminated environments
Autor(es): Corrêa, Débora Machado
Primeiro Orientador: Schaefer, Carlos Ernesto Gonçalves Reynaud
Primeiro coorientador: Albuquerque, Míriam Abreu
Segundo coorientador: Nascimento, Antonio Galvão do
Primeiro avaliador: Silva, Silvana de Queiroz
Segundo avaliador: Fernandes, Péricles Leonardo
Abstract: A análise da comunidade de cianobactérias presentes em amostras de solos, lagos e canais de degelo de três áreas pertencentes ao domínio da Antártica Marítima revelou 37 taxa do Phylum Cyanophyta, com dominância da Ordem Oscillatoriales. Os organismos de maior distribuição nas amostras são pertencentes aos gêneros Phormidium spp,. Leptolyngbya spp. e Nostoc spp.. Dezessete taxa foram isolados e mantidos em cultivo no Banco de Algas do Laboratório de Ficologia DBV/UFV. Diante da preocupação com o impacto decorrente da contaminação do ambiente antártico com hidrocarbonetos derivados do petróleo sobre as comunidades microbianas, foi testado o efeito de três hidrocarbonetos aromáticos sobre o crescimento de Phormidium autumnale UFV-ANT01. Parâmetros toxicológicos como NOEC, EC20 e EC50 foram estimados. A toxicidade observada sobre o crescimento da cianobactéria testada seguiu a ordem: benzo-α-pireno > antraceno > naftaleno. Concentrações de benzo-α-pireno quatrocentas e cinqüenta vezes menores que as de naftaleno são suficientes para causar a mesma toxicidade sobre Phormidium autumnale UFV-ANT01. As populações desta cianobactéria podem ser uma ferramenta útil no biomonitoramento de áreas contaminadas com hidrocarbonetos. A biorremediação de solos contaminados com hidrocarbonetos pode ser uma alternativa de baixo custo e ecologicamente viável nos ambientes antárticos. A habilidade de três isolados de cianobactérias em degradar [14C]naftaleno, a 15ºC, foi testada. As linhagens Phormidium autumnale UFV-ANT01, Nostoc sp. UFV-ANT23 e Tolypothrix sp. UFV-ANT22 foram testadas em culturas unialgais e em consórcio com bactérias heterotróficas, em comparação a um controle bacteriano e um controle abiótico. Após duzentas horas de exposição ao hidrocarboneto marcado, os tratamentos em consórcio se mostram mais efetivos na degradação do naftaleno que os tratamentos monoclonais e os controles. As taxas de mineralização cumulativas foram de 42%, 39% e 32% para os tratamentos Nostoc em consórcio, Phormidium em consórcio e Tolypotrhix em consórcio, respectivamente, enquanto que o controle bacteriano degradou cerca de 11% do hidrocarboneto adicionado. Os tratamentos monoclonais degradaram entre 2,6 e 4,2% do hidrocarboneto adicionado, sendo considerados menos eficazes que o controle bacteriano, mas não foram estatisticamente diferentes do controle abiótico (1,9%). A cinética de biodegradação observada foi similar à observada por outros autores para modelos expostos a baixas concentrações de hidrocarbonetos, nos quais o ataque microbiano ao contaminante se inicia logo após a aplicação dos tratamentos. As taxas de degradação observadas para os tratamentos em consórcio foram superiores à soma das taxas obtidas para os tratamentos unialgais e o controle bacteriano, sugerindo que as cianobactérias exerçam um papel importante no processo de biodegradação, disponibilizando nutrientes, oxigênio e imobilizando os reais biodegradadores.
The analyses of cyanobacterial communities in soil, lakes and glacial streams samples of three areas within the Maritime Antarctic domain revealed 37 cyanobacterial taxa, with majority belonging to Oscillatoriales Order. The most widespread organisms belonged to genera Phormidium spp,. Leptolyngbya spp. and Nostoc spp.. Seventeen strains were isolated and kept in culture into the Banco de Algas do Laboratório de Ficologia DBV/UFV. Given the concern about the impact of the Antarctic environmental contamination with petroleum hydrocarbons on microbial communities, we tested the effect of three aromatic hydrocarbons on the growth of Phormidium autumnale UFV-ANT01. Toxicological data such as NOEC, EC20 and EC50 were estimated. The toxicity observed on the growth of cyanobacteria tested followed the order: α-benzo-pyrene> anthracene> naphthalene. Concentrations of benzo-α-pyrene four hundred and fifty times smaller than those of naphthalene are sufficient to cause the same toxicity on Phormidium autumnale UFV-ANT01. Populations of cyanobacteria can be a useful tool for the biomonitoring of areas contaminated with hydrocarbons.Bioremediation can be a low cost and ecologic alternative to solve hydrocarbon contamination problems in Antarctic soils. The ability of three cyanobacterial strains in degrading [14C]naphthalene was tested under 15°C. Cyanobacterial lineages Phormidium autumnale UFV-ANT01, Nostoc sp. UFV-ANT23 and Tolypothrix sp. UFV-ANT22 was selected due its important contribution to Antarctic microbial mats. Cyanobateria was investigated in monoclonal cultures and in consortia with heterotrophic bacteria, in comparison with bacterial and abiotic controls. After 200 hours of exposure to labeled hydrocarbons, treatments corresponding to consortia proved to be more effective in [14C]naphthalene than the monoclonal treatments and controls. Cumulative mineralization rates were 42%, 39% and 32%, for Nostoc consortia, Phormidium consortia and Tolypothrix consortia respectively, while bacterial control mineralized 11% of the added hydrocarbon. Monoclonal treatments degraded 2,6 to 4,2% of naphthalene added and were considered less effective than bacterial control, but did not differ from abiotic control (1,9%). Degradation kinetics was similar to those previously reported by other authors for low hydrocarbon concentrations models, in which microbial hydrocarbon attack begins shortly after the contaminant was added to treatments. The rates of hydrocarbon degradation observed to consortia treatments were superior to the sum of individual monoclonal ones and the bacterial control, indicating that cyanobacteria had played a important role in the biodegradation process, providing moisture, nutrients, oxygen and immobilizating the biodegraders microorganisms.
Palavras-chave: Cianobactérias
Antártica
Hidrocarbonetos
Biodegradação
Bioindicação
Cyanobacteria
Antarctic
Hydrocarbon
Biodegradation
Bioindication
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática
Programa: Doutorado em Botânica
Citação: CORRÊA, Débora Machado. Morphological and molecular characterization of cyanobacteria from Maritme Antarctic and potential on hydrocarbon biodegradation and bioindication in contaminated environments. 2012. 74 f. Tese (Doutorado em Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2012.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/367
Data do documento: 29-Fev-2012
Aparece nas coleções:Botânica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf2,64 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.