Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/419
Tipo: Tese
Título: Contaminação, crescimento e inativação de microrganismos na cadeia de produção de alface (Lactuca sativa L.) variedade Vitória de Santo Antão
Título(s) alternativo(s): Contamination, growth and inactivation of microorganisms in the production of lettuce (Lactuca sativa L.) variety Vitória de Santo Antão
Autor(es): Antunes, Maria Aparecida
Primeiro Orientador: Andrade, Nélio José de
Primeiro coorientador: Chaves, José Benício Paes
Segundo coorientador: Minim, Luis Antonio
Primeiro avaliador: Peña, Wilmer Edgard Luera
Segundo avaliador: Pinto, Cláudia Lúcia de Oliveira
Abstract: Foi analisada a cadeia de produção da alface, cultivar Vitória de Santo Antão, do campo à mesa, sob as diretrizes do sistema Análise de Perigo se Pontos Críticos de Controle(APPCC)e do sistema de Análise de Risco Microbiológico. Para este estudo realizaram-se as etapas: caracterização da superfície foliar da alface; avaliação dos hábitos de consumo da alface e condições de higiene do processamento em restaurantes comerciais; avaliação da contaminação da alface do campo à mesa; identificação, listagem e análise de potenciais perigos das enterobactérias encontradas; testes de desafio microbiológico e testes de armazenamento utilizando-se modelos da microbiologia preditiva; e, finalmente, uma avaliação de riscos microbiológicos. Inicialmente, caracterizou-se a superfície foliar por microscopia eletrônica de varredura. A cutícula apresentou-se hidrofóbica e irregular. Estômatose nervuras foram sítios naturais de adesão E. coli O157:H7, além das superfícies hidrofílicas de lesões cuticulares e de cortes. A adesão intencional desse microrganismo nas bordas e cortes na folha de alface foi superiora 5 log·cm-2. Avaliaram-se os hábitos de consumo de alface em restaurantes comerciais. Porções pequenas (8,0g), médias(20g) e grandes (30g)são consumidas diariamente por pessoas entre 10 e mais de 40 anos, de ambos os sexos. Afirmaram que não lava as mãos antes das refeições 16,0% dos homens e 11,3%das mulheres. Dentre os usuários dos restaurantes,10,1%afirmaram que tiveram diarreia. O número de casos de diarreia foi maior entre os usuários assíduos aos restaurantes do que os esporádicos. Avaliaram-se as condições higiênicas de se ter restaurantes comerciais de Viçosa, MG. Na avaliação do ar dos ambientes refrigerados e não refrigerados, de modo geral, as contaminações estavam acima das recomendações da APHA e de pesquisadores brasileiros. As mãos dos manipuladores em cinco restaurantes apresentaram médias de contagens superiores a 2logUFC / mão para coliformes e mesófilos aeróbios. Todos os utensílios apresentaram contagens de mesófilos aeróbios acima das recomendações da APHA(0,30 log UFC·cm-2) e poucos atenderam às recomendações mais flexíveis (1,70 logUFC·cm-2). Avaliou-se quantitativamente a contaminação da alface campo à mesa. A contaminação por coliformes, enterobactérias e fungos e leveduras foi constatada em todas as etapas, no campo, na entrega e na fase de consumo. Não houve incidência de E.coli nas amostras coletadas no campo. Mas, a bactéria estava presente nas amostras para a entrega e prontas para o consumo, indicando que houve contaminação ao longo do processo. Observou-se que não houve reduções dos microrganismos contaminantes ao longo da cadeia de produção. Em alguns casos, houve aumento da contaminação. Foram isoladas bactérias Gram-negativas presentes nas etapas campo , entrega e pronta para consumo e dezoito delas foram identificadas pormicroscopia e provas bioquímicas. As enterobactérias foram listadas e realizou-se a análise de perigos segundo metodologia APPCC. Consideraram-se como perigos potenciais Escherichia coli, Cronobacter sakazakiie, predominantemente, Klebsiellla pneumoniae, com prevalência em 81,5%nas amostras de alface prontas para consumo nos restaurantes. Esses microrganismos foram submetidos aos testes de desafio microbiológico e de armazenamento. Em um dos desafios, avaliou-se, pelo teste da suspensão, a eficácia de soluções de vinagre (ácido acético)acrescentada de cloreto de sódio ou não para a inativação de células planctônicas dos três gêneros. As soluções foram eficientes em reduzir populações de C. sakazakii e de K.pneumoniae. Mas, estas soluções não foram aprovadas pelo teste da suspensão. Em outro desafio, avaliou-se a eficácia da água, solução de cloramina orgânica e soluções de ácido acético, acrescentadas ou não de cloreto de sódio, para reduzir as bactérias aderidas às folhas de alface. Observou-se a ação sinérgica do cloreto de sódio adicionado ao ácido acético em inativar C. sakazakii e K.pneumoniae. As reduções decimais foram iguais às com cloramina orgânica. Não houve, porém, diferença na resistência das enterobactérias em relação ao tratamento. No entanto, nenhuma solução sanitizante atingiu reduções decimais de três ciclos logarítmicos na polulação de microrganismos, como recomendado para células sésseis. Avaliou-se, também, a eficácia de uma solução de cloramina orgânica e outra de ácido acético em inativar células de K. pneumonia e aderidas à folha de alface, nas concentrações usadas pelos restaurantes. O modelo exponencial de dois termos foi apropriado para descrever a cinética de inativação. Nas populações estudadas, duas subpopulações de resistência heterogênea foram identificadas, uma mais sensível e outra mais resistente. Do ajuste das curvas de inativação obtiveram-se as constantes de velocidade de inativação das duas subpopulações. Nos testes de armazenamento, estudou-se o crescimento de K. pneumoniae na alface mediante temperaturas entre 5 e 40o C. Os modelos matemáticos primários da microbiologia preditiva, Gompertz modificado e de Baranyi e Roberts, foram utilizados para descrever as curvas de crescimento. Verificou-se que o modelo Baranyi e Roberts foi o mais adequado às respostas do crescimento microbiano. Na temperatura de distribuição observada nos restaurantes de 20°C, o tempo da adaptação() foi de 1,74h, e a velocidade específica de crescimento(µmax) de 0,199·h-1. Observou-se, também, que K. pneumonia e cresceu sob refrigeração em temperaturade 5°C. No estudo dos parâmetros de crescimento por modelos secundários, os modelos de Arrehnius e de Weibull ajustaram-se bem aos dados da duração da fase lag, e o modelo simples de raiz quadrada de Ratkowsky descreveu bem o efeito da temperatura sobre as taxas específicas de crescimento máximo. A análise de risco microbiológico nesse experimento, considerando a prevalência e o número de K. pneumoniae nas amostras em cada estágio da cadeia de produção da alface Vitória de Santo Antão, desde a primária até a mesa do consumidor, em razão do processo, da temperatura e do tempo de exposição, indicou riscos de o consumidor ingerir grande número de células do microrganismo.
The production chain from farm to table of the lettuce Vitória de Santo Antão was analyzed under the guidelines of the Hazard Analysis Critical Control Point system (HACCP) and Risk Assessment of microbiological hazards system. The following stages were realized for this study: lettuce foliar surface characterization, evaluation of lettuce consumption habits and hygiene conditions of the processing in commercial restaurants, evaluation of lettuce contamination from the farm to table, identification, listing and analysis of potential hazard in a food operations; microbiological challenge tests andstorage tests using predictive microbiology; and, finally, an evaluation of microbiological risks. First, the foliar surface was characterized by electronic microscopy. Cuticle showed being hydrophobic and uneven. Stomata and ribbings had been natural adhesion sites. E. coli O157: H7 beyond the hydrophilic surfaces of injuries cuticule and cuts. The intentional microorganism adhesion in the edges and cuts in the lettuce leaf reached > 5 log. The consumption habits of lettuce in commercial restaurants had been evaluated. Small (8 g), midle (20 g) and great portions (30 g) are daily consumed by people between 10 and 40 years old, both male and female. Affirmed that do not wash the hands before meals 16.0% of the men and 11.3% of the women had. Among the restaurants consumers, 10.1% had affirmed they had diarrhea recently. The number of diarrhea cases was greater among people that frequently eat at restaurants than among the ones who sporadically eat at restaurants. The hygienical conditions of seven commercial restaurants in Viçosa, MG were evaluated. The contaminations were above of the recommendations of the APHA and Brazilian researchers in the evaluation of the air of cooled and not cooled environments. The manipulators hands in five restaurants had presented averages of counting > 2 log CFU/hand for total coliforms and aerobic mesofilic organisms. All the utensils had presented counting of aerobic mesofilic above of the recommendations of APHA (0.30 log CFU·cm-2) and few had taken care of to the recommendations most flexible (1.70 log CFU·cm-2). The contamination of the lettuce was evaluated quantitatively from the farm to table. Total coliforms, enterobacterias and filamentous molds and yeast had been present in all evaluated stages (in the farm, in the delivery and ready to eat). There was no E. coli incidence in the farm samples, but there was in the delivery samples and ready for consumption, indicating that it was spread throughout the process. It was observed that there were no satisfactory reductions of contaminants microorganisms throughout the production chain. In some cases, it increased instead of reducing. Gramnegative bacteria present in the stages “farm”, “delivery” and “ready to eat” were isolated and 18 were identified by microscopy and biochemical tests. The enterobacterias were listed and the hazards analysis of the potentially hazardous microorganisms was realized by HACCP methodology. The following were considered as potentially hazardous microrganisms: Escherichia coli, Cronobacter sakazakii and Klebsiellla pneumoniae. The prevalence of this last one was 81.5% in the samples of lettuce ready to eat in the restaurants. These microorganisms were submitted to microbiological challenge tests and storage tests. In one of the challenges, by the suspension test, the efficacy of acetic acid (vinegar) added or not to sodium chloride in the inactivation of planktonic cells of the three enterobaterias was evaluated. The solutions were efficient in reducing populations of C. sakazakii and K. pneumoniae. However, the solutions had not been approved by the test of the suspension. In another challenge, the efficacy of the water, solution of chloramine organic and solutions of acetic acid, added or not to sodium chloride, in reducing the bacteria attached to lettuce leaves were evaluated. The synergic action of the sodium chloride added to the acetic acid was observed in the C. sakazakii e K. pneumoniae inactivation. The decimal reductions were equal to the reductions with chloramine organic. There was no difference in the endobacterias resistance in relation to the treatment also. However, no sanitizer solution reached 3 decimal reduction values in the microorganism population, as recommended for sessile cells. The effectiveness of one solution of chloramine organic and one of acetic acid, in the concentrations used by the restaurants, was evaluated in inactivating K. pneumoniae attached to the lettuce leaf. The results were analyzed by two term exponential model for mixed cell population to the adjustment of inactivation curves and to obtain the constants of inactivation. In the storage tests, the increasing of K. pneumoniae in the lettuce in temperatures between 5 and 40 °C was studied. Two primary models of the predictive microbiology, modified Gompertz and Baranyi and Roberts, had been used to describe the growth curves. It was verified that the model Baranyi and Roberts was more adjusted to the answers of the microbial growth, obtaining the values of the main parameters of the microbial growth. In the temperature of distribution that occurs in the restaurants, 20 °C, the adaptation time (λ) was 1.74 h, and the specific rate of growth (μmax) 0.199·h-1. Besides, it was observed that K. pneumoniae grew at 5°C under the parameters of growth for secondary models. The Weibull model adjusted well to the data of the duration of the lag phase and simple square root model of Ratkowsky described the effect of temperature on the maximum growth rate. The analysis of microbiological risk in this experiment, considering the prevalence and the number of Klebsiella pneumoniae samples in each stage of the production chain of the lettuce Vitória de Santo Antão, since the primary production until the consumer’s table, in reason of the process, the temperature and the time, indicated the risk for consumers of ingesting high number of microorganisms.
Palavras-chave: Alface
Microbiologia preditiva
Unidades de alimentação e nutrição
Lettuce
Predictive microbiology
Units of food and nutrition
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::CIENCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS::CIENCIA DE ALIMENTOS
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Ciência de Alimentos; Tecnologia de Alimentos; Engenharia de Alimentos
Programa: Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos
Citação: ANTUNES, Maria Aparecida. Contamination, growth and inactivation of microorganisms in the production of lettuce (Lactuca sativa L.) variety Vitória de Santo Antão. 2009. 199 f. Tese (Doutorado em Ciência de Alimentos; Tecnologia de Alimentos; Engenharia de Alimentos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/419
Data do documento: 5-Ago-2009
Aparece nas coleções:Ciência e Tecnologia de Alimentos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf2,59 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.