Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/7532
Tipo: Dissertação
Título: Ação do metil jasmonato e do ácido salicílico na redução pós-colheita da injúria por frio em strelitzia reginae
Methyl jasmonate and salicylic acid action on quality and chilling injury reduction in strelitzia regiane
Autor(es): Pereira, Ariana Mota
Abstract: Objetivou-se com este trabalho determinar a ação do pulsing com metil jasmonato (MJ) e ácido salicílico (AS) na qualidade e redução pós-colheita da injúria por frio em flores de corte de Strelitzia reginae. Foram realizados dois experimentos. No primeiro, as hastes foram colocadas em soluções de pulsing com 20% de sacarose acrescida de MJ nas concentrações de 100, 250 e 400 μM e o controle (sem MJ) por 24 horas. No segundo experimento, as hastes foram colocadas em soluções de pulsing com 20% de sacarose com adição de AS nas doses de 2, 4 e 6 mM e o controle (sem AS) por 24 horas. Posteriormente, as hastes de ambos os experimentos foram acondicionadas em recipientes com água destilada durante 28 dias a 5oC, para indução da injúria por frio e à temperatura ambiente por 7 dias. As análises realizadas foram determinadas semanalmente a 5oC e no início e final do armazenamento à temperatura ambiente em relação à taxa de absorção de água, taxa transpiratória, massa fresca (MF), extravasamento de eletrólitos, atividade da peroxidase (POD) e dos compostos fenólicos das brácteas e sépalas. Houve redução linear na taxa de absorção de água pelas hastes em todos os tratamentos a 5oC, com menor redução na dose de 250 μM de MJ e maior absorção com 100 μM nos dias 14 e 21. O MJ não foi eficiente em reduzir a taxa transpiratória e manter a MF das flores a 5oC. Houve aumento do extravasamento de eletrólitos no último dia de avaliação em relação ao dia zero, sendo superior em brácteas tratadas com MJ. A atividade da POD das brácteas a 5oC foi reduzida apenas com o uso de 100 μM de MJ, enquanto nas sépalas todas as doses de MJ aumentaram a atividade da POD. A 5oC, as brácteas tratadas com 250 e 400 μM de MJ e as sépalas a 250 μM obtiveram menor aumento dos compostos fenólicos no último dia de avaliação em relação ao dia zero. O tratamento com MJ à temperatura ambiente reduziu a absorção de água, o extravasamento de eletrólitos e compostos fenólicos das brácteas no dia 0. No entanto, a temperatura ambiente o MJ não foi efetivo na manutenção da massa fresca, redução da taxa transpiratória e atividade da POD das brácteas e sépalas e dos compostos fenólicos das sépalas. A dose de 2 mM de AS ocasionou a menor redução na absorção de água à 5oC no dia 28 em relação ao dia 7, enquanto a dose de 4 mM permitiu um balanço hídrico negativo mais tardio e maior massa fresca. Houve menor aumento no extravasamento de eletrólitos na dose de 6 mM de AS e maior redução na atividade da POD das brácteas e sépalas no último dia de avaliação em relação ao dia zero na dose de 2 mM à 5oC. À temperatura ambiente, o AS reduziu a absorção de água e a transpiração, mas não foi efetivo na manutenção da massa fresca, redução do extravasamento de eletrólitos e atividade da POD das brácteas. A atividade da POD das sépalas, à temperatura ambiente, foi menor nas doses de 4 e 6 mM de AS no sétimo dia. O teor de compostos fenólicos das sépalas no dia 0 reduziu em todas as doses de AS testadas, e nas brácteas, somente nas doses de 2 e 6 mM. Conclui-se que o MJ e o AS melhoraram a qualidade da flor a 5°C, porém somente o AS reduziu a incidência de injúria por frio, sendo 2 mM a melhor dose. À temperatura ambiente, somente o AS melhorou a qualidade da flor.
This study aimed to determine the action of pulsing with methyl jasmonate (MJ) and salicylic acid (SA) on the quality and reduction of the incidence of chilling injury in cut of flowers of Strelitzia reginae. Two experiments were conducted. In the first, the stems were placed in pulsing solutions with 20% of sucrose plus MJ at concentrations of 100, 250 and 400 μM, and control (without MJ) for 24 hours. In the second experiment, the stems were placed in pulsing with 20% of sucrose with the addition of AS at dosages of 2, 4 and 6 mM, and control for 24 hours. Subsequently, stems were placed in a recipient with water during 28 days at 5°C for chilling injury induction and at room temperature over 7 days. The analysis made were determined weekly at 5° C in the beginning and in the ending of storage at room temperature concerning water uptake rate, transpiration rate, the fresh weight (MF), leakage of electrolytes, activity of peroxidase (POD) and phenolic compounds of the bracts and sepals. There was a linear reduction in water uptake rate by the stems in all treatments at 5°C, with lower dose reduction of 250 μM and greater uptake with 100 mM on days 14 and 21. MJ was not effective in reducing transpiration rate and in maintenance of MF of flowers at 5°C. There was an increase of electrolyte leakage on the last day of evaluation in relation to day zero, being superior in bracts treated with MJ. The POD activity of the bracts at 5°C was reduced only with the use of 100 mM of MJ, while in sepals all MJ doses increased the POD activity. At 5°C, the bracts treated with 250 and 400 μM of MJ and the sepals to 250 μM obtained the lowest increase in phenolic compounds on the last day of evaluation in relation to day zero. At room temperature, the treatment with MJ reduced uptake of water, electrolyte leakage and phenolic compounds bracts on day zero. However, in this room temperature, the MJ was not effective in the reduction of the variation of fresh weight, transpiration rate, the POD activity in the bracts and sepals and of the compounds phenolic of sepals. The dose of 2 mM of AS provided the smallest variation in uptake of water at 5°C on day 28 compared to day 7 while the dose of 4 mM allowed a negative water balance later and the highest fresh weight. There was a lower increase in electrolyte leakage at a dose of 6 mM of AS and a bigger low in the POD activity in the bracts and sepals on the last day of evaluation in relation to day zero at a dose of 2 mM at 5°C. At room temperature, AS reduced uptake of water and transpiration, but it was not effective in reducing the variation of fresh weight, electrolyte leakage and POD activity of the bracts. The POD activity in sepals, at room temperature, was lower at doses of 4 and 6 mM on day 7. All doses of AS reduced phenolic content of sepals on day 0 and the doses of 2 mM and 6 mM in bracts. It was concluded that MJ and AS improved flower quality at 5°C, however only AS reduced the incidence of chilling injury, being 2 mM the best dose. At room temperature, only the AS improved flower quality.
Palavras-chave: Strelitzia reginae - Pós-colheita
Strelitzia reginae - Efeito da temperatura
Metil jasmonato
Ácido salicílico
Hormônios
Qualidade
CNPq: Fisiologia Pós-Colheita
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: PEREIRA, Ariana Mota. Ação do metil jasmonato e do ácido salicílico na redução pós-colheita da injúria por frio em strelitzia reginae. 2015. 68f. Dissertação (Mestrado em Fisiologia Vegetal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2015.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/7532
Data do documento: 28-Jul-2015
Aparece nas coleções:Fisiologia Vegetal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo784,3 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.