Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/8941
Tipo: Dissertação
Título: Corantes em alimentos: perspectivas, usos e restrições
Colorants in food: perspectives, uses and restrictions
Autor(es): Mascarenhas, Jean Márcia Oliveira
Abstract: Os corantes são substâncias adicionadas intencionalmente aos alimentos, com o objetivo de conferir cor. São aplicados em grande diversidade de alimentos. Este trabalho teve como meta gerar conhecimentos que possibilitem conhecer o setor de corantes no Brasil. Para sua execução foram distribuídos e coletados questionários entre indústrias e consumidores, assim como foram elaboradas planilhas para observação dos rótulos dos produtos alimentícios. No primeiro levantamento, foi constatado que, do total das indústrias pesquisadas, 54,17% são produtoras de corantes naturais e 12,50% produtoras de corantes sintéticos. Cerca de 36,36% das indústrias abordadas concordam que há uma tendência clara de utilização dos corantes naturais. Os corantes naturais mais produzidos são o urucum e o carmim; nos sintéticos se destaca a tartrazina; e nos inorgânicos, o beta-caroteno. Das 22 indústrias produtoras de corantes pesquisadas, apenas sete conseguem exportar seus produtos. Os países que mais compram corantes do Brasil são Argentina, Venezuela, Uruguai e Paraguai. No segundo levantamento verificou-se a freqüência com a qual os corantes se apresentam nos rótulos das embalagens em diferentes alimentos, agrupados em sete categorias: laticínios, bebidas, doces, carnes, massas, diversos e sorvetes. Dos 769 produtos pesquisados, foi constatado que é grande o número de produtos que não vem especificando o tipo de corante adicionado. O corante carmim é mais encontrado nos sorvetes. Os corantes sintéticos, inorgânicos e sintéticos idênticos aos naturais também são incluídos nessa análise. O terceiro levantamento incluiu uma amostra de 279 pessoas, sendo 81 alunos da pós- graduação, 79 professores e 119 funcionários com níveis médio e superior. Constatou-se que 96,06% dos entrevistados concordam que a cor é um fator muito importante. Do total dos entrevistados, 89,96% afirmam ter o hábito de ler o rótulo dos alimentos, principalmente para saber sobre seus constituintes e o prazo de validade. Cerca de 27,96% dos entrevistados sempre levam em consideração a cor dos alimentos. As indústrias alimentícias tomam como base a IDA para liberação e comercialização dos corantes. Pode ser verificado que todos os corantes sintéticos e sintéticos idênticos aos naturais tiveram sua IDA estabelecida, ao passo que os naturais, caramelos e inorgânicos tiveram sua IDA especificada apenas para alguns tipos. O FDA alega que estes corantes são isentos de certificação, ou seja, não necessitam ser especificados, por não oferecerem riscos à saúde, embora em 1984 tenha sido criada uma IDA para o urucum extremamente restrita (0,065g/kg/Pc).
Colorants are substances purposively added to food to confer color. They are added to a great diversity of food. This work aimed to generate information to foster the knowledge on colorants in Brazil. Questionnaires distributed to industries and consumers as well as observations on food labeling were collected. In the first survey it was verified that 54.17% of the industries studied produced natural colorants and 12.50% produced synthetic colorants. Approximately 36.36% of these industries agreed that there is a clear trend towards the use of natural colorants. The natural colorants most produced are Annatto and Carmine, while tartrazine ranks first among the synthetic and -carotene among the inorganics. Of the 22 colorant-producing industries surveyed, only 7 are exporters. The largest buyers of colorants from Brazil are Argentina, Venezuela, Uruguay and Paraguay. In the second survey, the frequency of colorants listed was verified in package labels of different foods grouped under seven categories: dairy products, beverages, candies, meat, pasta, ice cream and miscellaneous. Of the 769 products surveyed, it was found out that a large number of products do not specify the type of colorant used. Carmine was mostly used in ice cream. The in this analysis. The third survey involved a sample of 279 consumers (81 graduate students, 79 professors and 119 workers of high school and university levels. A total of 96.06% of them agreed that color was a very important factor with 89.96% stating that they have the habit of reading labels, especially checking the ingredients used and period of validity. Approximately 27.96% of those interviewed always take color into account. Food industries use IDA as a basis to liberate and commercialize their colorants. It was observed that all the while the natural, Caramell and inorganic colorants had their IDA specified only for some types. THE FDA claims that these colorants are exempt from certication, i.e., they do not require to be specified since they are harmless to human health. However, the FDA did create an IDA for Annatto in 1984 which was extremely restrictive (0.065 g/Kg/Lc).
Palavras-chave: Tecnologia Alimentos
Corantes
CNPq: Ciências Agrárias
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: MASCARENHAS, Jean Márcia Oliveira. Corantes em alimentos: perspectivas, usos e restrições. 1997. 142f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 1997.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/8941
Data do documento: 12-Set-1997
Aparece nas coleções:Ciência e Tecnologia de Alimentos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo888,83 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.